sábado, 19 de novembro de 2011

Meditações Memoraveis: O Valor do Sofrimento


Na angústia me deste largueza. (Sl 4.1.)
 Este é um dos maiores testemunhos dados pelo homem quanto ao governo moral de Deus. Não é uma palavra de ação de graças a Deus por ter sido livre de sofrimento. É ação de graças por ter sido libertado através do sofrimento, pois diz: "Na angústia me deste largueza." Ele declara que as próprias tristezas foram a fonte de um alargamento na vida.
 E você já não descobriu mil vezes a verdade disto? Está escrito a respeito de José na prisão, que o ferro entrou em sua própria alma. Todos nós sentimos que o de que José necessitava para o bem de sua alma era justamente o ferro. Ele tinha visto o brilho do ouro; tinha-se alegrado nos sonhos dos dias jovens, e os sonhos endurecem o coração.
 Quem derrama lágrimas sobre a narrativa de um romance não estará muito apto a servir de auxílio na vida real; a verdadeira tristeza lhe parecerá muito sem poesia. Precisamos do ferro para alargar a nossa natureza. O ouro é apenas uma visão; o ferro é uma experiência. A corrente que me liga à humanidade precisa ser de ferro. Aquele toque de humanidade que nos irmana com o mundo não é a alegria, mas a tristeza. O ouro é parcial, o ferro é universal.
  Minha alma, se você quer ser alargada na sua compaixão e na sua capacidade de sentir com os outros, precisa ser estreitada dentro de limites de sofrimento humano. A prisão de José foi sua estrada para o trono. Você não é capaz de carregar a carga de ferro de seu irmão. Se o ferro ainda não entrou em seu coração. As coisas que a limitam na verdade são as que a alargam.
  As sombras da sua vida é que são o verdadeiro cumprimento dos seus sonhos de glória. Não se queixe das sombras, minha alma, elas contém revelações melhores do que as dos seus sonhos. Não diga que as sombras da prisão a acorrentaram; os grilhões das horas sombrias na verdade são asas — asas que a levam em vôo para dentro do seio da humanidade. A porta da sua prisão dá para o coração do universo. Deus a tem alargado, através dos grilhões da corrente do sofrimento. — George Matheson
  Se José não tivesse sido prisioneiro, nunca teria sido governa­dor do Egito. A cadeia de ferro em que prendeu seus pés foi a prepa­ração para a cadeia de ouro que foi colocada em volta do seu pescoço. — Selecionado
                                                                    Do Livro Mananciais do Deserto
         

domingo, 6 de novembro de 2011

O Verdadeiro Louvor II: O Chamado de Davi

Assim como Deus usou Moisés para instituir a Lei, Samuel o ministério profético, Davi foi usado para instituir o ministério de louvor para o povo de Israel e a maneira que ele foi escolhido e como estabeleceu o ministério de louvor, nos traz lições preciosas sobre o verdadeiro louvor que agrada a Deus.
Começando com o seu chamado, vemos que Davi nasceu numa época muito turbulenta na história de Israel, onde o primeiro rei de Israel (Saul) tinha sido rejeitado por Deus, pois estava mais preocupado em agradar o povo do que obedecer a ordem Divina:
"Então disse Saul a Samuel: Pequei, porquanto tenho transgredido a ordem do SENHOR e as Tuas Palavras; porque temi ao povo, e dei ouvidos à sua voz." I Samuel 15: 24
Por isso o Senhor iria transferir o reino a alguém que estivesse verdadeiramente disposto a fazer a Sua Vontade e não a sua própria ou a do povo:
"Porém agora não subsistirá o teu reino; já tem buscado o SENHOR para si um homem segundo o Seu Coração, e já lhe tem ordenado o SENHOR, que seja capitão sobre o Seu povo, porquanto não guardaste o que o SENHOR te ordenou." I Samuel 13: 14
E a palavra nos diz que Deus achou a Davi:
"Achei a Davi, Meu servo; com santo óleo o ungi," Salmos 89: 20
Isto nos traz uma lição fundamental sobre o verdadeiro louvor, que ele só pode ser realizado por aquele está preocupado em agradar a Deus e não as pessoas como se vê nos dias atuais, onde os líderes para verem suas igrejas cheias, transformam o culto a Deus em entretimento humano, com a desculpa que é para a evangelização, mas assim como a desculpa de Saul não o justificou Diante de Deus, também esta desculpa de “evangelização” não ira justificar tais líderes.
Como naqueles dias, Deus procurava alguém segundo o Seu Coração, hoje Ele procura os verdadeiros adoradores que O adoram em espírito (e não na carne) e em verdade:
"Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim O adorem." João 4: 23
Que o Senhor possa nos achar assim no dia chamado Hoje!
Na próxima postagem, veremos como Davi foi usado para estabelecer o ministério de louvor.